Espaços Confinados: Quais os riscos?

 

Espaços Confinados: Quais os riscos?

 

Espaços confinados são ambientes de alto risco para trabalhadores, mas você sabe quais são eles? Descubra a seguir!

Um ambiente é considerado deficiente de oxigênio, quando atmosfera contém menos de 20,9 % de oxigênio em volume na pressão atmosférica normal, a não ser que a redução do percentual seja devidamente monitorada e controlada.
Por outro lado, considera-se um ambiente enriquecido de oxigênio, quando a atmosfera contém mais de 23% de oxigênio em volume. Os espaços confinados mais comuns são os silos, tanques ou reservatórios, tubulações, galerias, biodigestores, etc.

Os riscos do espaço confinado

Existem inúmeros riscos presentes nas atividades em espaços confinados, entre os quais podemos destacar:

Falta ou excesso de oxigênio;
Risco de incêndio ou explosão;
Infecções por agentes biológicos;
Soterramento;
Engolfamento;
Choques elétricos;
Quedas;
Esmagamentos;
Inundação;
Queimaduras;
Intoxicações por substâncias químicas;
E outros, que possam afetar a segurança e saúde dos trabalhadores. Em virtude disso, a norma regulamentadora nº 33 (Segurança e saúde nos trabalhos em espaços confinados) do Ministério do Trabalho e Emprego, dispõe de algumas medidas técnicas de prevenção, administrativas e pessoais. Assim como, especifica determinadas responsabilidades aos empregados e empregadores.
Além disso, a norma regulamentadora nº 33 estabelece que nos estabelecimentos onde houver os espaços confinados devem ser observadas, de forma complementar à NR-33, os seguintes atos normativos:
NBR 14606 – Postos de Serviço – Entrada em Espaço Confinado;
NBR 14787 – Espaço Confinado – Prevenção de Acidentes, Procedimentos e Medidas de Proteção, bem como suas alterações posteriores.

É importante destacar, que é vedada a entrada e a realização de qualquer trabalho em espaços confinados sem a emissão da Permissão de Entrada e Trabalho – PET.

Fonte: INBEP

#Diagmed #SegurançaNoEspaçoConfinado

Facebook
LinkedIn
WhatsApp